Mais um ano sem futebol profissional para a torcida do Nacional. O clube alvinegro de Uberaba abriu mão da Terceirona do Mineiro. O presidente Mário Hueb, em conversa com o REPLAY, explicou que a pandemia e a consequente dificuldade financeira foram os fatores determinantes para a decisão.

Leia também: Colorado aprova forma de disputa e já se organiza fora de campo
 
O arbitral da competição foi realizado na última terça-feira (25), definindo o calendário e a forma de disputa – 15 equipes participarão. O Naça estava entre os convocados, mas preferiu declinar, “em comum acordo entre conselho fiscal, conselho deliberativo e diretoria de futebol”, diz Mário.
 
O dirigente relata que o plano era entrar com um elenco jovem, formado principalmente por atletas da cidade, e com a comissão técnica também daqui. No entanto, prevaleceu a conduta de não arriscar.
 
“Reuni com todos, presidente do Conselho, presidente do Fiscal, diretor de futebol, diretor médico. Todos foram unânimes com relação ao problema da Covid. Pesou demais. Com relação à parte financeira, tivemos ressalva de ambos os conselhos, para não colocar por água abaixo aquilo que plantamos em um ano e meio”, explana.
 
O cartola se refere à organização nos bastidores que vem sendo feita. Enquanto não tem futebol, o negócio é arrumar a casa. “Está praticamente tudo arrumado, dentro do que nos propomos a fazer. Falta muito pouco para a missão cumprida. Focamos em deixar tudo em dia, a parte administrativa, financeira, contábil, legal”.
 
O presidente alvinegro espera que na próxima temporada o Elefante esteja em campo. “Ficamos sentidos, mas sem arrependimentos, com a consciência de que a decisão foi a mais correta. A gente fica chateado, mas ainda não era a hora. Ano que vem estará tudo certo se Deus quiser e voltamos firmes e fortes”, conclui.

Parceiros 

anuncie boxe
 
sancelo
 
perfetto
 
corintiano
Scroll to top