07-07-paulinho 1Quem foi o maior craque de todos os tempos no Uberaba Sport Club? É, questões como essa são sempre controversas. São épocas diferentes, é difícil opinar sem ter visto o jogador atuar... Um dos maiores, certamente, é o atacante Paulinho Ibiá. E, no quesito “bola na rede”, não tem jeito, não tem dúvida: é ele o maior artilheiro da história do USC. Aí, não se discute.
 
Por falta de registro de todos os gols na época, o número de vezes em que o atacante balançou o barbante é impreciso. Contando os gols documentados, sabe-se que Paulinho fez mais de 200 tentos com a jaqueta vermelha do Uberaba Sport.
 
Nascido em Ibiá, Paulo Lúcio de Paula Teixeira começou no Ferroviário de sua cidade, passou pelo juvenil do América-BH e pelo Comercial de Campo Belo até, em 1953, chegar ao USC. Logo virou ídolo da torcida. Dono de qualidade no domínio da bola, de uma arrancada “imparável” e, claro, de “faro” de gol, era um tormento para as defesas adversárias.
 
Paulinho era o ídolo não só do time, mas de toda a cidade. Tinha status de estrela. Pagar a conta em um restaurante? Jamais.
 
Amava a bola, mas tinha outras paixões. Gostava da noite, de uma bebida, de um baralho...
 
Além do apelido Paulinho do Ibiá, ele era chamado também de Paulinho da Lolita, em referência à esposa, conhecida como uma das mais bonitas damas da sociedade local. Lolita foi, entre outros títulos, Miss Uberaba, Miss Comércio e até Rainha do Uberaba Sport.
 
07-07-paulinho 2Após o sucesso no USC, Paulinho foi fazer gols no Fluminense e no São Paulo. “Gente boa aquela de Uberaba. Conquistou-me o coração. Não fosse a vontade que sinto em vencer como foot-baller, acho que de lá ninguém me tiraria”.
 
Morreu na década de 90, em Belo Horizonte. Na ocasião, o jornalista Ataliba Guaritá, o Netinho, lembrou das atuações do craque e, pela crônica que escreveu, dava para ver como Paulinho era bom. “Quem sempre amou o futebol, amava o Paulinho, o homem do pique veloz só comparado ao Ademir Queixada do Vasco (...) Paulinho do Ibiá era assim - lançamento de Tati e gol de Paulinho, tabela com Zé Luiz e gol de Paulinho, centrada de Fausto e gol de Paulinho”.
 
A torcida decorava o ataque do Colorado - Fausto, Paulinho, Zé Luiz, Tati e Oliveira - que “dava medo” aos adversários, diz o texto. Netinho ainda frisa que o inesquecível goleador (especialidade era o gol de lençol, destaca) era não só um craque, mas reforça que Paulinho era mesmo um ídolo da cidade. “Se Paulinho da Lolita morresse quando era o craque do Uberaba, teria o maior enterro da cidade. Isto não é consolo, mas é atestado de popularidade”, comenta o jornalista.
 
“Paulinho, um fora de série”, encerra a coluna.
 
Conheça mais da carreira de Paulinho na Revista REPLAY especial dos 100 anos do Uberaba Sport Club, nas bancas.

Parceiros 

anuncie boxe
 
sancelo
 
perfetto
 
corintiano
Scroll to top